Wednesday, October 31, 2012

Atitude é uma Palavra

- O que importa não são as palavras, mas as atitudes.
- Atitude é uma palavra.


a beleza não é tudo

- Achas-me bonito?
- Nunca fui da opinião de que a beleza é tudo.
- Não é tudo, mas é alguma coisa. Então, se te perguntasse se me achas inteligente, dir-me-ias que a inteligência não é tudo?
- Diria antes charmoso.



surpreender pela negativa

Só se surpreende pela negativa quem não consegue dizer o que sente com uma só palavra.


Sexo devia ser todos os dias


o amor é cego

O amor é cego porque, na fase da paixão, já se viu tudo.


Quem ama aceita

- Quem ama aceita o outro.
- Mas o que vem primeiro, o amor ou a aceitação?
- O que vem primeiro são as endorfinas, que te fazem achar piada a tudo. Mesmo aquilo que depois te pode irritar, tipo cortar as unhas na sala ou não baixar a tampa da sanita.
- Mas as endorfinas pertencem à fase da paixão. Acho que nos apercebemos de que é amor quando se constata a aceitação dessas diferenças, que passaram, também, a fazer parte de nós.


rádio sentimental

- Tens saudades dela?
- Depende das canções que passam na rádio.


Quis mudar de sexo e arrependeu-se

Deus, dai-me a pila de volta. Pega lá, filho, arrependeste-te a tempo. Mas sabes que o exército também aceita mulheres...

Tuesday, October 30, 2012

inalar-te

quero inalar as tuas calcinhas
ainda coladas ao orvalho
quero inalar o teu hálito
acabada de acordar
quero inalar o teu corpo
ainda fumegante do duche



Dedicado às Smartshops

- Então, as Smartshops não vendem carros.

Bicicletas Smart... para inalar fertilizante em movimento.

- Inalar fertilizante deve ser a revolução agrária à portuguesa.


- Quando eu era novo, cheirava-se cola ou gasolina, deve ser a mesma coisa que agora inalar fertilizante.


- Adolescentes vão a smartshops para ficarem mais espertos e acabam a inalar fertilizantes para plantas. Prefiro magnésio.


- Adolescentes vão a smartshops para ficarem mais espertos e saem de lá estupores («estupor» é um estado de consciência ou sensibilidade apenas parcial ou insensibilidade acompanhada por pronunciada diminuição da faculdade de exibir reações motoras).


Smartshop = nome genérico atribuído às lojas de venda a retalho de drogas legais, algumas das quais alucinogénicas, que incluem haxixe, incenso e fertilizante para plantas.





Monday, October 29, 2012

equilíbrio: continuação




Eu: Acho que o equilíbrio é o melhor. Porque se ama e há uma razão para isso.
Júlio: Amor não tem razão!
Eu: Claro que tem. há sempre lugar para uma listinha de prós e contras. amor é quando os prós ganham.
Júlio: Naaaaaaa amor com razão não é amor.............
Eu: O amor faz das pessoas idiotas?
Emília: Não, os apaixonados idiotas já eram idiotas antes de se apaixonarem.
Sílvia: Paixão passa; não há amor se não há mais prós que contras!
Eu: Emília, então o amor não faz alguém perder a razão, é isso? Sílvia, o que queres dizer é que "há amor se há mais prós que contras"?
Emília: Este tema do amor vs razão dava uma tese de mestrado e eu confesso que não sou propriamente especialista na coisa, só conheço a minha vivência e o amor para mim tem também uma justificação racional, que se funda nas vantagens, muitas vezes puramente afectivas, que a relação com o outro nos trás.
Júlio: Gostei, Emília, dou-lhe já a equivalência ao mestrado......
Emília: Obrigada Júlio Martins, pode passar a tratar-me por mestra.
Eu: Emília, esse é o meu ponto de vista. A razão nunca se apaga, porque o nosso intelecto precisa de explicar o que sente e a coerência obtém-se pela lógica. se me dizem "amo-te, mas não sei dizer porquê", ou são mulheres pouco articuladas ou idiotas.
Eu: A afectividade é um valor muito importante, que não deve ser minimizado. se uma mulher me diz que me ama porque a faço sentir-se segura, porque gosta dos meus miminhos ou da minha atitude face à vida, isso para mim são razões importantes. mas umamulher que só tangencialmente tem os mesmos gostos que eu, que se ofende com o meu sentido de humor ou tem uma escala de certo e errado que conflitua com a minha, não pode dizer-me que, apesar de tudo isso, me "ama muito". esse amor tem de basear-se em alguma coisa palpável ou não passa de uma fantasia dela que eu, em todo o meu esplendor, não posso entender nem preencher...
Sílvia: Basicamente, acho que paixão e amor não o mesmo! A paixão pode mesmo tornar-nos idiotas (ou já o éramos? - como aqui foi dito)! Quanto aos "prós e contras" - no amor - concordo com o Ricardo, pois se as pessoas, entre elas têm valores de base e gostos muito conflituantes, a situação dificilmente corresponde a amor!
Eu: Só aceito que a paixão nos faz idiotas se isso significar que estamos fascinados por alguém que ainda não conhecemos bem, mas isso é prazer e curiosidade, que são dois motores humanos e sociais muito relevantes, portanto, há lógica nessa paixão.
Sílvia: É um argumento de lógica dentro da falta de lógica
Eu: Não é. se sabes explicar algo e apresentar justificações, é porque a lógica permanece.
Sílvia: Sim, tem alguma lógica, mas não deixa de ser teorizar num campo que, para todos é pessoal e empírico, o saber das próprias experiências feito!! Mas não sei que entenderá também a recém-mestra Emília ...
Eu: Sim, mas a experiência pesa sempre na balança. aquilo que mais se valorizava aos 16 anos, (muito) provavelmente não é o mesmo que se valoriza aos 26 ou aos 36.
Sílvia: Sem prejuízo do empirismo e das experiências, sobre este tema li dois livros que me marcar "Enamoramento e amor", de Francesco Alberoni e Estudos sobre o Amor, de Ortega y Gasset! Aconselho a quem é curioso sobre os mistérios do tema.
Eu: Se alguém me disser que está completamente apaixonado porque tem a mulher mais bonita que já viu, eu concluo que se trata de alguém que dá muito valor à estética. para essa pessoa, está justificado. tudo tem de ser visto caso a caso. Outros darão mais valor ao companheirismo, outros ao intelecto.
Eu: Ahah a credibilidade do amor em livro...
Sílvia: Não a credibilidade, a análise.. dentro do que é possível!
Eu: ... mas o papel é tão frio para explicar algo tão quente.
Emília: Amigos, a conversa está boa mas tenho de ir ali amar o maridinho que chegou, depois contem-me se chegaram a alguma conclusão!
Eu: Emília, pergunta-lhe porque te ama e não aceites uma resposta hesitante.

party bouncer

Há uns anos atrás, eu e a minha namorada fomos chaperones da festa de aniversário da irmã dela, que fazia 12 anos. Envergonhados, a princípio, pela presença de dois adultos, um dos quais não conheciam, os miúdos seguiram o mais impetuoso, que veio ter comigo:
- Quem és tu?
- Sou o namorado da irmã da [aniversariante].
- Porque é que estás aqui?
- Estou aqui para evitar que vocês fumem, bebam ou tomem drogas durante a festa. Beijos às meninas podem dar, mas um de cada vez e com autorização delas.
E, com isto, conquistei-os de uma assentada.


Sunday, October 28, 2012

as neuras e as consequências



Ao post de uma amiga, nos termos supracitados, respondi:
- Convém não esquecer o reverso da moeda. Aquele que te ama pensa: «Mas isto é só crises, manias, reclamações e tristezas? Mas será que ela não faz um esforço?...»
Ela - Mas, tu tens de ser sempre do contra?
Eu - A minha última namorada era muito pródiga naquilo que chamava de "neuras" e dizia que eu aguentar-lhas era uma forma de saber se eu realmente a amava. Eu achei que ela não me descarregar as suas neuras seria uma forma de mostrar que me amava a mim.
Ela - Entendi. Por isso é "ex".
Eu - Não ajudou.

Friday, October 26, 2012

visita

- Vem visitar-me este fim de semana.
- Sigo no último comboio amanhã à noite.
- Diz-me a que horas chegas e vou buscar-te.
- Se não deres comigo, levo o meu vestido vermelho e os saltos pretos.
- Vem sem nada e eu seguirei os olhares de toda a gente.



Wednesday, October 24, 2012

companhia a adormecer

- Fica bem, Covinhas. Vou ver se adormeço ao som da chuva, hoje.
- Há quanto tempo não adormeces ao som da minha voz?



Estou doida por ti

- Estou doida por ti
- Não gosto de gente doida.


Monday, October 22, 2012

Mara e Fábio no confessionário

Um homem não pode namorar com uma mulher bissexual, porque depois não pode confiar nem nos amigos nem nas amigas. Aprendi isto agora na Casa dos Segredos 3. Zapping.



(Mara e Fábio no confessionário)

Saturday, October 20, 2012

seducing the cat

Alguns minutos de sedução fonética e ocular com o gatinho preto da janela ao lado e ficou desperta a curiosidade de ambos. Quase dá vontade de ter um. Durante cinco minutos.


coração de vitral

Se colarmos um coração muitas vezes, torna-se um vitral.


Friday, October 19, 2012

equilíbrio


- O equilíbrio é a melhor situação. Ama-se e tem-se razão para isso.
- O amor não tem razão.
- Claro que tem. Há sempre lugar para uma listinha de prós e contras. Há razão para amar quando os prós ganham.
- Há razão para amar quando amar é tudo o que fazemos. Se temos de pensar se vale a pena amar ou não... talvez não seja amor...
- Ou, então, podemos ser pessoas tão analíticas que temos de enumerar as razões porque amamos. Isso não diminui o sentimento, mas estimula o cérebro.
- Então, é só um passatempo, em nada interfere com o amor.
- Há quem nunca saia da idade dos porquês, mesmo quando já sabe a resposta.
- Amar é ter fé, não precisa de provas. É o passo que tem de ser dado, independentemente de haver degrau.
- Mas não convém haver provas de reciprocidade?
- Para quê? Queres chegar aos 90 anos, olhar para trás e dizer, ufa, nenhuma dor, nenhuma perda, isto é que foi viver?
- Mas um coração também não é um vitral, quantas vezes é possível colá-lo sem que perca a forma?
- Desde que conserve a função.
- E não deverá o cérebro protegê-lo? O cérebro sempre tem o crânio a envolvê-lo, mas o peito está à mostra...
-Não sejas cabeça dura e dá o passo. Não é o coração que se parte, mas o ego.
- Acho que o coração é de vidro, mas o ego é de borracha.
- Acho que estás a confundi-los, será?
- Vejo o ego como auto-estima. Não ser amado por alguém pode partir o coração que quer ser correspondido, mas o ego recupera mais depressa. O ego só precisa de um espelho, o coração é que, para sentir amor, exige um estímulo externo.
- O ego é a tua auto imagem, a tua mascara social, aquilo que te queres convencer que és, pode ser bom ou mau, porque pressupõe julgamento. O Amor é tudo. O coração é uma conexão que temos, que muitas vezes nem encontra palavras porque simplesmente é.
- Amar sem ser correspondido é suficiente para o coração?
- O que é que é ser correspondido? Amar é amar mesmo que tenhamos a percepção que não somos amados. Amar é suficiente.
- Não haver correspondência ao amor que manifestamos ilegitima aquele a que se dirige. É como tentar criar uma ponte e, afinal, só se ter uma prancha. Uma planta que não leva sol, mirra.
- Se depende de algo externo... ainda não é amor...
- Então, o amor é uma flor de plástico? Subsiste por si, sem interferência dos elementos?
- É? Ou os elementos estão em ti? Onde é a origem, onde floresce, onde se contém e se expande?
- Não, são exteriores. Daí eu ter dito que uma flor precisa de sol, assim como o coração de alguém, e que o ego é que só precisava de um espelho.
- Aceito que vejas dessa forma.
- Mas tu achas que os elementos estão no próprio? De que serve ser uma máquina de sumo, se depois ninguém o beber? O sumo estraga-se.
- Tu és o sumo, a maquina, quem bebe e quem observa.
- Isso não é ego a mais?
- O ego qualifica e julga.
-  É o ego quem arruma as botas, em caso de desistência? É o ego que volta a meter o amor dentro da caixa? Mas, então, o ego é o cérebro?
- Mr. Ricardo Moura im off 2 bed  talk some more another day! Mas sim, é sempre o ego que "arruma as botas" e é ele que volta a meter o amor "dentro da caixa" ... Na minha perspectiva... que é como as cerejas, vale o que vale.
- Até amanhã. No meu entender, ficamos sempre mais ricos depois de uma conversa. E esta teve sumo.


Wednesday, October 17, 2012

dizer que se ama quando só se gosta

Dizer Amo-te quando só se gosta é o mesmo que
atribuir-se maior cilindrada ao carro que se conduz. 




Based on True Events

Acreditam quando um filme diz: Baseado em Factos Reais?




paixão vs amor

A paixão é a curiosidade, o amor é a certeza?


amar com lucidez

Pode amar-se com lucidez ou o amor tolda a razão?


crueldade

Consideram-se sádicos ou um pouco de crueldade faz parte de todos nós?



chucha

Ainda chucham no dedo ou já o substituíram?



mudar o outro

Tentam mudar o outro, mudam com ele ou sentem que mudam ambos com o tempo?


alma gémea

Há apenas uma alma gémea para cada pessoa viva e o resto é remedeio?


polígrafo do amor

Deveriam os casais sujeitar-se ao polígrafo periodicamente, para atestarem ao outro o seu amor por este?


estereótipólico

Dantes perguntava-se: gostas de louras ou de morenas, como se tudo se resumisse à cor do cabelo.

Acreditam neste estereótipo e têm um único tipo físico específico que apreciam, a ponto de rejeitarem quem não enche essas medidas?


cor favorita: vermelho

 Se a vossa cor favorita fosse o vermelho, porque seria?




até que a morte vos separe

Darias a tua vida pela pessoa que amas?

Isso dá um novo significado à expressão "Até que a morte nos separe", porque a morte não será a do outro...


impulse

Oferecer flores é tão piroso como soa? 



quem ainda não ouviu "já namoramos há tanto tempo..."

Um pedido de casamento deve respeitar alguma regra de prazos?



Pornografia

Pornografia: degradante ou excitante?


sex draw

Se o sexo (genitália) humano pudesse ser redesenhado, manteria o aspecto que tem?




Namoro à distância

Namoro à distância, mais liberdade ou mais saudade?




mudar de ares

Quando mudam de ares, sentem-se pessoas diferentes?



como resolver

Quando não resolves os teus problemas através do diálogo, como os resolves?




oposto de parabéns

O oposto de estar de parabéns é ficar de castigo?


de onde vem a expressão "Polly Wants a Cracker"?

A expressão é do século XV.

«Polly wants a cracker», aparentemente, tem a ver com papagaios, que foram descobertos por navegadores espanhóis na sua busca por terras a desbravar. O nome Polly dado a papagaios tornou-se popular (da mesma forma que se vulgarizou o nome Bóbi para os cães), porque o bicho foi comparado à galinha, que em espanhol se chama pollo.

Ao ensinar os papagaios a falar, é normal darem-se-lhe pequenas recompensas, sendo que apreciam de bolachas de água e sal. Daí polly (de pollo) e cracker (da bolacha).

O papagaio quer uma bolacha?

Quanto à canção dos Nirvana, não tem a ver com drogas, mas com o rapto e violação de uma jovem que regressava de um concerto. Impressionado com a notícia nos jornais, Kurt Cobain escreveu a letra, fazendo um paralelismo com a frase dos papagaios por achar que ela deveria ter tido fome enquanto esteve raptada e faria de tudo por uma bolacha. A ironia é brutal ... e a canção é escrita do ponto de vista do raptor!

- esta explicação foi retirada do livro "Heavier than Heaven: A Biography of Kurt Cobain"

Consta também que dois indivíduos violaram uma mulher enquanto cantavam a canção de kurt e ele condenou o acto no CD Incesticide: "Last year, a girl was raped by two wastes of sperm and eggs while they sang the lyrics to our song 'Polly.' I have a hard time carrying on knowing there are plankton like that in our audience. Sorry to be so anally P.C. but that's the way I feel."

nine lives

Porque é que os gatos anglo-saxões vivem mais anos do que os gatos latinos?


Sharon Stone disse:


Uma mulher pode fingir orgasmos, mas um homem finge relações inteiras.

valores

Se não tivéssemos liberdade, do que sentiriam mais falta?



prendas melhores

Como se sentem quando, numa troca de prendas 
com a vossa cara-metade, a dela é claramente superior?



function: sex

Why do women in general think that fucking is 
a man's job and that they are just the canvas for the painter?


Total Pageviews

There was an error in this gadget

Followers

Blog Archive